Nesta sexta-feira (5), às 7h30 no horário de Brasília, foi julgado o pedido de liberdade provisória dos missionários brasileiros José Dilson e Zeneide. Presos temporariamente desde novembro de 2012, eles tiveram seu recurso de apelação julgado procedente.

Leia também  Vídeo: Malta denuncia prisão de missionários presos no Senegal

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=RCVPgPuVpTQEles estavam com prisão temporária decretada por acusação de tráfico de menores e formação de quadrilha. O julgamento foi realizado em Dakar, capital do país. No Brasil, o caso está recebendo apoio da Associação Nacional dos Juristas Evangélicos (Anajure). As instituições Religious Liberty Partnership (RLP), Advocates International e a organização brasileira Agência Presbiteriana de Missões Transculturais (APTM), também fizeram um trabalho conjunto pela liberdade dos missionários. Elas atuaram na instrução jurídica aos advogados locais.

O habeas corpus julgado pela Corte de Apelação de Dakar concedeu a liberdade provisória pelo prazo de 30 dias. Neste período deve acontecer o julgamento definitivo do processo. A Anajure informou que “a ação teve participação decisiva, pois instruiu e forneceu documentação necessária ao advogado local, doutor Mbaye Dieng, designado para cuidar do caso”, informou a associação.

José Dilson e Zeneide passarão a cumprir as obrigações decorrentes de sua liberdade provisória. Eles terão de se apresentar todos os dias na prisão de Thiès. Um advogado cristão senegalês foi nomeado pela Anajure para o caso. O doutor Sylva Brice Magna, acompanhará o processo no país africano em trabalho conjunto com o doutor Mbaye Dieng e os demais advogados.

“Os próximos passos na atuação da Anajure em favor dos missionários são o acompanhamento processual, a instrução do processo com provas da inocência e a regulamentação e assistência jurídica completa ao Projeto Obadias”, informou a assessoria de imprensa da instituição.

A denúncia começou com um pai de uma das crianças envolvidas no projeto missionário de José Dilson e Zeneide. A acusação afirma que supostamente seu filho estaria abrigado sem autorização e aprendendo princípios cristãos, ao invés de islâmicos. Com prisão temporária decretada em novembro de 2012, as autoridades do Senegal já haviam negado o pedido de habeas corpus, alegando que eles poderiam fugir do país e ser ameaça à ordem pública.

José Dilson, membro da Igreja Presbiteriana do Brasil, é missionário há mais de 20 anos no continente africano e nunca teve problemas com a justiça local. O trabalho missionário juntamente com Zeneide é mantido no país por organizações missionárias brasileiras.

Deixe o seu comentário no Verdade Gospel.

Fonte: TCP